Pages

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

DEUS E O HAITI

Cansei-me de ouvir declarações bárbaras a respeito do terremoto no Haiti, principalmente oriundas de evangélicos. Cito algumas, com repugnância e reviravolta no estômago:

Algo aconteceu há muito tempo no Haiti e as pessoas talvez não queriam falar sobre isso. Estavam sob domínio francês, nos tempos de Napoleão III, juntaram-se e fizeram um pacto com o diabo. Disseram: `Vamos servi-lo se nos libertar do Príncipe'. É uma história verdadeira. E o diabo disse: `Ok, está combinado'. E os franceses foram expulsos. Os haitianos revoltaram-se e conseguiram libertar-se. Mas, desde então, foram amaldiçoados com coisas atrás de coisas”. (Pat Robertson. Televangelista nos Estados Unidos. Frase dita no programa "Clube700", do canal Christian Broadcasting Network - CBN).

Diante da imensa tragédia do terremoto no Haiti, onde dezenas de milhares morreram, o cônsul do Haiti em São Paulo, George Samuel Antoine, foi sincero o suficiente — e também politicamente incorreto — para atribuir a tragédia à religião dos haitianos. A religião predominante do Haiti, um país formado esmagadoramente por descendentes de escravos africanos, é o vodu, que é oficial.
O vodu é uma religião vinda da África que, assim como o candomblé, incorporou elementos da religião dos dominadores católicos. Assim como no candomblé, os rituais do vodu são marcados pela música, dança e comida, inclusive com animais sacrificados. Na cerimônia de ambas, os participantes entram em transe e incorporam espíritos. Há relatos, fartamente documentados e noticiados, de sacrifício de seres humanos em alguns desses rituais — inclusive estupro de meninos por parte do líder, que geralmente é homossexual
”. (Julio Severo – professor, escritor e blogueiro).

-Acho que de tanto mexer com macumba… não sei o que é aquilo. -O africano em si tem maldição. Todo lugar que tem africano tá f…. -Desgraça de lá está sendo uma boa pra gente aqui, fica conhecido”. (George Samuel Antoine - cônsul do Haiti no Brasil).

Como se vê, são afirmações complexas e marcadas por ausência de amor e solidariedade. Ora, o que ocorreu no Haiti foi o resultado de uma abalo sísmico de fortes proporções peculiar àquela região. Afirmar que se trata de um “juízo antecipado de Deus” ou “a resposta de Deus em relação à religião haitiana” é, no mínimo, desconhecer as perspectivas bíblicas do amor de Deus às pessoas, tão caras ao genuíno evangelho.
Todas as vezes que me deparo com uma situação de tragédia tal como essa ocorrida com o povo haitiano, reflito sobre o texto de Lucas 13: 1 E, Naquele mesmo tempo, estavam presentes ali alguns que lhe falavam dos galileus, cujo sangue Pilatos misturara com os seus sacrifícios. 2 E, respondendo Jesus, disse-lhes: Cuidais vós que esses galileus foram mais pecadores do que todos os galileus, por terem padecido tais coisas? 3 Não, vos digo; antes, se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis. 4 E aqueles dezoito, sobre os quais caiu a torre de Siloé e os matou, cuidais que foram mais culpados do que todos quantos homens habitam em Jerusalém? 5 Não, vos digo; antes, se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis.

Nas palavras de Jesus nos deparamos com a imagem bíblica de que não existem privilegiados e desfavorecidos. Assim como os fiéis de Jerusalém morreram, outros demais também. E será assim com todos nós. Não é pelo fato de sermos cristãos que estamos livres dos percalços e dificuldades da vida. A diferença se reflete unicamente pelo fato de que nos atentamos de forma mais detida e específica a respeito da companhia solidária do mestre.
Eu, particularmente, creio que o Deus da vida está sendo solidário a todos os haitianos. Ele que é sumo amor está se manifestando, fazendo ressurgir vida onde somente há cheiro de morte. E para os incautos que vêem Deus como um ser vingativo, uma repreensão: Deus não almeja a morte dos inocentes. O terremoto não é fruto da ira de Deus, mas sim da realidade imanente na qual todos estamos inseridos. Existem brechas em nosso planeta, ainda em criação e recriação, que não foram resolvidas. Deus, quando criou todas as coisas afirmou: Eis que é tudo muito bom. Ele não disse: Está tudo perfeito. Ademais, nós temos interferido diretamente na ordem e nas estruturas da ecologia e biodiversidade.
E quanto a nós cristãos? Que fazer?
Acho que devemos agir solidariamente e orar pela restauração do Haiti. Isso o faremos pela nossa fé, pela nossa convicção de que Deus ama a todos, indistintamente.
Moisés Coppe.